quinta-feira, 29 de abril de 2010

As Duas Flores




São duas flores unidas,
São duas rosas nascidas
Talvez do mesmo arrebol,
Vivendo no mesmo galho,
Da mesma gota de orvalho,
Do mesmo raio de sol.

Unidas, bem como as penas
Das duas asas pequenas
De um passarinho do céu...
Como um casal de rolinhas,
Como a tribo de andorinhas
Da tarde no frouxo véu.

Unidas, bom como os prantos,
Que em parelha descem tantos
Das profundezas do olhar...
Como o suspiro e o desgosto,
Como as covinhas do rosto,
Como as estrelas do mar.

Unidas... Ai quem pudera
Numa eterna primavera
Viver, qual vive esta flor.
Juntar as rodas da vida,
Na rama verde e florida,
Na verde rama do amor!

(Castro Alves)


2 comentários:

Almeida Lucius ™/ Ulisses Reis ®/Heleno Vieira de Oliveira disse...

Castro Alves, é muito bommmmmmmmm, gosto de Navio Negreiro e não conhecia esse, mas fico feliz pois tenho vc , para ajudara ver e ler coisas belas e vindo de ti, melhor, obrigado pelo teu carinho nos comentarios, beijos !!!

Luciana disse...

Oi Miss

Tudo mais ou menos fico muito deprimida com o frio mas espero que tudo melhore.
Não conhecia esse poema do Castro.
Bjs
Lu